04 junho 2011



UMA TERNURA CHAMADA LARRY KINLEY


Click here to read this post in English:
  • THE SOUND OF A HEART

  • Quem conheceu Larry Kinley pode se considerar uma pessoa de sorte.
    Viemos para Cincinnati em 1994 e ao procurar uma Igreja para ficarmos, um dia paramos no Good Shepherd Church e entramos para assistir uma missa.



    Quando a missa começou, entrou esse homem que parecia ter uma iluminação sobre sua cabeça.

    E ao cantar a primeira musica nos deixou simplesmente hipnotizados. Sua voz meiga, suave, cheia de expressão tomou conta de todo o ambiente.
    Naquele dia tínhamos certeza que nossa Igreja seria ali.
    E então todos os domingos passamos a ve-lo e nos deleitávamos com sua voz. Era uma voz simplesmente inexplicável!

    Ela ressoava em todos os cantos da Igreja e também em nossa alma. E posso apostar que ela também ressoava em muitas outras almas.

    Larry era iluminado. Tinha algo em sua presença que tornava tudo meio magico.
    Um dia subi ao palco depois da missa para perguntar se ele tinha algum CD que eu pudesse comprar.

    Ele me deu o nome da pessoa que vendia seus CD’s. Comprei todos. E não cansava de ouvi-lo em casa.
    Nossos almoços de Domingo tinham sua voz de fundo. Aquela voz que trazia tanta paz e tanta suavidade ao nosso dia.

    Começou então nossa amizade. E todos os Domingos para mim ir naquela Igreja era uma oração dupla: orar e ouvir Larry.
    Ele fazia parte de nossos domingos. E logo, de nossa vida.
    Naquele tempo nossa filha Patrícia tinha 5 anos. Sentávamos lá na frente da Igreja, e ele sempre nos sorria. Acenava para ela. Tinha um carinho especial por nós.
    E não somente por nós, mas por cada um que falava com ele. Tinha sempre um abraço, um sorriso, um gesto.



    Larry era uma pessoa que via cada um como um ser individual. Como explicar? Viamos pessoas chegarem (as vezes ficávamos na fila para poder dar-lhe um abraço) e ouvíamos que para cada pessoa ele perguntava algo pessoal. Sabia os nomes, os nomes dos filhos. Particularidades que somente ele poderia guardar e dizer e perguntar.
    Tinha uma doçura tão grande em sua voz. Deus lhe deu o “gift” da voz, até para falar. Seu riso, seu sorriso. Tudo nele era especial.

    Um homem extremamente cavalheiro e delicado. Uma delicadeza que encantava. Uma humildade que emocionava. Ele era extremamente humilde. Com aquele poder todo em sua voz, ele tinha uma grande humildade.

    As vezes na Igreja notávamos quantas pessoas ele acenava. Ou vinha conversar.
    E na hora da missa que desejávamos a “paz” ele tinha sempre um aceno para nós. Ou um beijo jogado. Ou o sinal de Paz com suas tao bonitas mãos.

    Suas mãos tão carinhosas e tão cheias de amor para dar as pessoas.

    Ele era adorado pelas crianças. Tinha um jeito todo especial em entretê-las. Suas perguntas engraçadas, seu modo de olhar e rir para deles.
    Assim foi com nossa filha, vendo-a crescer. Sempre dando conselhos, dizendo coisas bonitas, e carinhosas.



    Existem pessoas que passam em nossa vida e fazem marcas profundas, de fogo. Larry foi um deles.

    Na Pascoa, ouvir a musica “They Could Not” cantada por ele, era de emocionar qualquer um. Eu não perdia essa missa por nada nesse mundo. Ele vinha sempre elegante, em seu terno, e quando começava a cantar fazia-se um silencio sepulcral na Igreja. Não ouvíamos nem a respiração de ninguém

    Parecia que Jesus estava ali, sentado escutando-o. E ele se emocionava muito! Com o decorrer da musica, podíamos ver seus olhos cheios de lágrimas, a expressão de suas mãos, de seu corpo.
    Lembro de sua preocupação em conseguir cantar essa musica depois que operou o coração. E quando ele conseguiu se sentiu tão vitorioso e duplamente emocionado.
    A Igreja toda aplaudiu-o de pé.

    Larry era um artista.
    Um artista completo. De voz, e de alma. Uma pessoa humana fantástica
    Um em um milhão.

    O ano passado quando teve um foco de câncer no pulmão, ele me disse assim: “Eu vou ficar bom, e o ano que vem estarei aqui cantando “They could not”. Abracei-o muito nesse dia.

    E ele cantou. Maravilhosamente bem assim como em todos os anos. Algumas vezes eu podia ate enxergar Jesus ao seu lado. Em forma de luz.

    E é assim que o vejo agora, quando penso nele. Minhas lágrimas são de amor e saudade.
    Assim como as lagrimas de minha família.
    Larry era conhecido por toda minha familia e amigos no Brasil.

    Sei, mas sei tão bem, que ele esta tão perto de Jesus.

    Morreu dormindo nosso querido Larry. E esse tipo de morte, poucos merecem. Ele mereceu. Morreu docemente, assim como ele era. Uma pessoa doce.

    Descanse em paz meu amigo.
    Um dia a gente vai se ver. Então vou lhe dar aquele abraço apertado.

    O meu amor por você, meu e de minha família, será sempre eterno.

    Durma com Deus nessa nuvem que você esta, fofinha e macia, cheia de Anjos.

    Cliquem aqui e escutem Larry cantando :

  • I WANT JESUS TO WALK WITH ME


  • Amamos voce meu amigo querido!


    Foto com sua filha Kayia Kinley




    Mary Fioratti

    4 comentários:

    Anônimo disse...

    Minês, o Larry realmente era (é) uma pessoa especial e mesmo sem te-lo conhecido, sinto falta de sua presença entre vocês. Tenho os Cds que você trouxe para mim e estão aqui entre meus preferidos.
    Com certeza ele é uma pessoa abençoada,que só deixou beleza em seu caminho e na vida de outras pessoas.
    Linda a homenagem que você fez a ele!
    Beijos
    MLúcia

    ParadoXos disse...

    Deus seja com a vida de todos nós, amiga Mary.

    um abraço sentido.

    ~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

    Essa perda é a que mais dói.

    JC

    Kátia disse...

    Não a conheço e nem conheci o Larry,mas ao ler este post senti como se conhecesse os dois.De fato,me parece ter sido uma dádiva divina ter conhecido este ser tão iluminado e que com certeza deve estar pertinho de Deus nesse momento.Obrigada pela linda partilha.