19 setembro 2007


MERGULHANDO EM MIM




Desde que minha filha foi embora de casa, estou num processo de introspeccao, procurando em mim a minha identidade.
Nesses 17 anos, eu vivi uma vida inteiramente dedicada a minha filha. Em todos os aspectos. Ate os empregos que eu arrumei, foram em funcao dos horarios dela, ou da localizacao, nao muito longe de casa, meio periodo.

Quando ela foi para a Faculdade eu percebi que eu nao estava somente sentindo a falta dela, mas a falta de SER MAE! Eu sempre amei ser mae, e esse trabalho, essa dedicacao, sempre foi algo que me realizou profundamente.

Vivi todas as epocas da vida da minha filha: Do Barney o Dinossauro Cor de Rosa na TV, do Sesame Street, Mister Roger Neighborhood, e tantos outros. Curti vestir com ela as Barbies, jogar Life, Sorry, Clue, Mouse Trap, e tantos outros...
Assistir Finding Nemo, Matilda, Casper, Parent Trap, Lion King (choreeeei nesse),The Little Mermaid.

Depois a compra de patins, leva-la no ring de skate...

O primeiro dia que ela foi de onibus para a escola (e eu fiquei chorando na janela).

O primeiro baile, os vestidos, as sandalias, o cabelo, a musica alta no quarto, as amigas, a musica ecoando pela casa.

Ensinei-a a dirigir. Eu a ensinava no fundo da Faculdade aqui perto. Um dia eu disse: "Vai para a rua". E ela: "Maeeee nao!". "Filha, va para a rua!". Ela saiu hesitante, e de repente disse: "Maeeee tem um carro atras de mim!". E eu: "Vai seguindo filha, vai seguindo"...

Tantas coisas que me envolveram de uma forma absoluta. Mas eu AMEI ser MAE! Nao quero dizer que hoje eu nao seja mae, claro, mas essas fases se foram e de um modo tao rapido!

A nossa vida é feita em capitulos.

Estou em um Capitulo nesse momento, completamente voltada a mim mesma. Talvez numa fase mais egoista.
Nao sei explicar o que sinto. É como esse tempo todo, eu tivesse esquecido de mim.

Hoje eu me lembro. Eu me reconheco. A minha solidao me fez voltar para mim mesma, e para as coisas que eu senti falta. Escutar musica uma hora seguida. Sentar e ler um livro. Resolver sair de repente de casa, sem pressa de voltar. Assistir filmes.
Ir para o trabalho e me dedicar de corpo e alma, sem preocupacoes. Perceber que posso aprender infinitamente.

Quero fazer uma Faculdade. Um curso de Artes (Ingles), de escrita, de aperfeicoamento. Ha uma Faculdade pertinho aqui de casa.

De repente me deu uma sede de viver, de aprender. E de dedicar meu tempo a me descobrir novamente. Quem seria essa Mary depois desses 17 anos de dedicacao constante a minha filha? Estou novamente a procura de minha identidade. Dessa Mary que amadureceu, e que aprendeu muito a viver.

Essa é uma foto que tirei com ela na Faculdade este ultimo fim de semana.



Recebi um email de minha amiga Soninha (obrigada amiga!) com um PPS do Roberto Carlos com a Ivete Sangalo.
Fui procurar no internet o video. Amei! Gostaria que voces vissem. Senti uma emocao tao grande ao escutar essa musica cantada pelo Roberto. Quanto sentimento na voz dos dois!

Assistam. Como romantica por natureza, o Roberto continua mexendo com o mais profundo de mim!




®Mary Fioratti

10 comentários:

Musician disse...

Mary, se todas as mães, todas as pessoas fossem como tu, ou um pouquinho que seja como tu, o mundo e as pessoas seriam muito mais felizes!
Tens alma de mulher, de mãe, de amiga, de esposa, de pessoa!!
Que nesta nova fase sejas muito tu, muito feliz! Aproveita a vida ao máximo!
Lindas na foto :)

Amaral disse...

Olá, Mary, é um prazer estar por aqui.
Quero enviar-te a tal musiquinha, mas não tenho o teu e-mail e não o vejo por aqui...

Rose disse...

Mary

como vc mesma disse: a vida é feita de capítulos... evoluimos a medida que os capítulos vão modificando.

até aqui vc ensinou a sua filha a ser uma criança, a ser uma adolescente com todo esmero...

o resgate da mulher Mary agora ressurgindo com força total, é fruto da necessidade que virá brevemente de ensinar sua filha a ser também uma mulher segura, realizada profissionalmemte, intelectualmente e espiritualmente, capaz de um dia ser mãe como vc é.

agora mais do que nunca ela aprenderá pelo exemplo e ela ñ teria ninguém melhor do que vc para se espelhar...

beijos para as duas

MEUS POEMAS disse...

Oi Mary, linda foto amiga!
Favoritei vc em meu blog, tá?
Bjs pras duas lindas!
Gena

Sol da meia noite disse...

Descobri-te, passei por aqui e gostei do teu cantinho.

Entendo-te. Também eu vivi muitos anos em função da vida das minhas duas filhas.
Também eu tive necessidade de criar o meu espaço, de viver a minha vida...

Deixo-te um beijinho!!!

Zé Carlos disse...

Mary querida, um beijo enorme prá esta mãezona..... entre para a faculdade também, será ótimo....
Bjs do ZC

Ricardo Rayol disse...

nem diga, só imagino a falta que deve fazer.

Anônimo disse...

Ola cunhadinha,
Como já passei por tudo isso,posso dizer que este sentimentos são comuns.Fiquei muito mal no começo,mas me acostumei,tenho certeza, que meu papel de mãe até aquele momento, foi cumprido a risca.
Nossos filhos estão se descobrindo,e nós ,nos redescobrindo.Tempo mais livre,sem tanta preocupação com horario,aquele banho gostoso...sem derepente ouvir um mãeeeeeeeee(se bem que as vezes dá uma saudade).
Etapas vencidas,experenciadas e gratificantes.
Vá fundo,preencha seu tempo com coisas que gosta de fazer,volte mesmo a estudar,e tão bom.
Linda foto das duas.
Beijao
Te

Saramar disse...

Mary, querida, imagino a saudade que você sente e a sua filha também.
Essas coisas de mãe e filhos são muito mais profundas do que podemos sonhar.

beijos, bom fianl de semana para você.

Thereza disse...

Maryyyyyyyyyyyy..
Qta saudades de vc!!!
Como vc está?? e sua filha e Roque??
Te achei no Blog da Edna..
Mas sabe q sempre andei te procurando..inclusive no orkut..
se quiser me escrever ficarei muito feliz..
Beijokassss
JudyThereza.