10 junho 2008




LEMBRANÇAS DO PRIMEIRO AMOR




O amor do meu tempo era um amor diferente...
Não era um sentimento de "ficar", era de "estar"... sem preocupações de que o amanha viria.
Não havia esse medo de envolvimento. Havia apenas o "sentir" absoluto em todas suas formas.

Tive meu primeiro namorado com 19 anos. Digo, o "real" namorado mesmo, aquele de marcar encontro, de sair, ir ao cinema, de falar ao telefone por horas.
O primeiro dia dos namorados que passamos juntos, ele veio com uma enorme caixa... dentro tinha uma flor branca (somente uma), e um vidrinho de perfume pequeno (que mais tarde soube ter sido roubado de sua tia). Valeu o roubo. O perfume era francês e inesquecível.

Com ele tive meu primeiro beijo, que na verdade, não foi tão marcante assim. Talvez porque eu não tivesse por ele um verdadeiro sentimento de um primeiro amor.

Meu primeiro amor eu tive com 21 anos.
Encontrei-o num Baile. Cabelos claros, um sorriso iluminado, aproximou-se de mim e me tirou para dançar. Eu estava com um vestido verde comprido de cetim. Lembro que ele me apelidou de "Princesa de Verde"...
Com ele tive dias sucessivos de emoções. Talvez porque dentro de mim eu o via como aquele Príncipe Encantado que temos na imaginação.
Mas ele era diferente. Muito diferente dos tradicionais. Sempre dizia frases inesperadas, e fazia a vida nada rotineira.
Muito inteligente, sensível, mas uma sensibilidade diferente. Não gostava muito de mostra-la em palavras. Mas seus gestos sempre diziam.
Foi um namoro assim de "idas" e "vindas", mas com momentos muito intensos.
Embora eu tivesse 21 anos na época, eu era muito inocente. Sempre estava a beber suas palavras e a fazer poesias. A sonhar com o próximo encontro.

Não me lembro especialmente de nenhum dia dos namorados com ele. Mas posso dizer que todos os dias que ficamos juntos foi de uma surpresa inusitada, e para mim, um sentimento único, que hoje se tornou uma bonita recordação.

Como o dia dos namorados transpira romantismo, aqui deixo duas poesias (das muitas) feitas para ele.



PRINCESA DE VERDE


Há anos luz
Nem sei contar o tempo
Talvez em duas mil luas?
Eu tive o galho mais alto
De uma árvore gigantesca
Que ficava na curva
De uma esquina
Nesse tempo
eu tive também uma rosa
Que permaneceu guardada
Naquela roseira
Que nunca foi arrancada
Mas me foi dada por você
Numa noite com luzes multicores
Fui uma princesa de verde
Quando meus sonhos
Nasciam como flores
E quando os desenganos
Nao doíam tanto
Como doem agora
Naquele tempo
Havia uma clareira
Onde nos beijávamos
Até ficarmos sem ar
Trocando juras de amor
Como se não pudéssemos
Nossa ausência suportar
Havia versos de Neruda
ao som de "Goodbye Yellow Brick Road"
cantado pelo Elton John
Houve um tempo
Que olhei com tanta angústia
O galho desta árvore
A flor naquela roseira
E a sombra da nossa clareira
Hoje a sua ausência
Tornou-se apenas um sopro
Perdido num tempo longínquo
De adolescência

®Mary Fioratti





SEU SORRISO


Lembro-me agora...sempre foi assim
Esse seu sorriso
Ele sempre me trouxe
Aquela alegria nascida espontânea
Com uma ternura incontida
na expressão de seus olhos
Seu sorriso é incomparável
Porque é o seu sorriso
Unicamente seu
Um dia eu lhe perguntei
"O que quer que eu faça
Para fazê-lo feliz?"
E você respondeu: “Dança uma valsa comigo?”
Era noite, e o palco tão informal
Estavamos em um caramanchão
E ainda me lembro
Voce me enlaçando pela cintura
Seus olhos na penumbra
E do jeito que você sorria
Você sempre me passou uma alegria
Natural, espontânea, muito sua
Seus sentimentos eram tão seus, tão próprios
(não sei como explicar)
Quando ficávamos sentados na grama
em frente ao pôr-do-sol
Ainda me lembro da entonação de sua voz
A contar-me a historia de Fernão Capelo Gaivota
E sua sede de voar
E eu ficava perdida em seu rosto
Observando seus traços
acompanhando a expressão de seu olhar
que voava na paisagem empolgando-se com seu relato
(eu o sentia assim, como Fernão, querendo alçar o vôo mais alto)
Lembro tambem que seu olhar se transformava
Mesclando-se de tristeza
Quando contava-me historias do Campo de Treblinka
Mas de repente voltava o seu sorriso
Um sorriso de menino, um puro sorriso
Naquele momento
Meu carinho mais profundo se estampava
Em minha face
E meu coracao, estava transbordante
Talvez você nunca tenha notado
(E hoje, falo de um tempo passado)
Você foi meu primeiro amor
Aquele que me fez burlar meus próprios sentidos
e sonhar acordada com sua chegada
Escutando uma música dez vezes
Ficando perto do telefone
e ouvir voce dizer:
“Voce viu que arco-iris lindo esta lá fora?
Saindo em disparada para seu encontro
abrindo os lábios para receber seu beijo
Tudo com tanta pureza de alma!
Mas olha...hoje tudo que queria lhe dizer
É do seu sorriso
(dispersei-me em tantas lembrancas)
seu sorriso é
incomparável...


®Mary Fioratti



UM FELIZ DIA DOS NAMORADOS A TODOS!

Mary Fioratti

9 comentários:

ZezinhoMota disse...

Lindo aquilo que tu escreves e então estas duas poesias adorei de as ler.

Recordar é saudade
e também é felicidade!

Bom fim de semana.

Bjnhs de muito carinho.

ZezinhoMota

Zé Carlos disse...

Me desculpe o Roque, mas esta foto em que vc está com as flores nos braços está linda para mais de metro !!!!!
Vc é linda garota....
Bjs do Zé

Ricardo Rayol disse...

meu primeiro amor me deu pesadelos que foram dificies de apagar

Patricia disse...

O meu primeiro amor, o meu primeiro verdadeiro amor ainda me acompanha. Estamos juntos vai fazer 7 anos e cada vez nos amamos mais ;)

bjs

Liz / Falando de tudo! disse...

Muito bonita a poesia!
Sempre bom ler sobre a vida dos blogueiros que gostamos, ainda mais assim tao sincero, tao bonito!
Venha me visitar!
Liz

BANDEIRAS disse...

Querida Mary,

Que ótimo a lembrança destes tempo passado, hoje recordado através da poesia.
Deve ser maravilhoso ter lembranças guardadas assim, vivas ainda nos versos que você compôs um dia.
Feliz dia dos namorados hoje para você também, que todo dia é dia.
bjs

tulipa disse...

Olá Amiga MARY

LINDA SUA FOTO.
ESTÁ DEMAIS DE BONITA...

Vim cá por vários motivos:

1º - convido-te a vir espreitar uma associação desconhecida de muita gente e tantos lugares que merecem ser visitados , não só pela sua beleza, mas também pela preocupação em preservar o ambiente.

2º - dar-te os Parabéns, pela tua escrita, sempre perfeita e agradável. BELAS POESIAS.

3º - queres dar um passeio aos glaciares nas tuas férias de Verão?
Vem aos meus Momentos Perfeitos e vê, ficas com uma ideia...(Noruega)


Deixo-te um abraço com saudades.

Jardim de Versos e Prosas disse...

Minha querida Mary...saudades, mas eu andei meio afastada da net por boas causas no mundo real...falar do primeiro amor, num tempo em que o romantismo era a tônica e até mesmo o primeiro beijo era algo de extraordinário, não chega nem de perto aos nossos dias em que o "ficar" e o "test drive" já vai mostrando tudo e o mistério não mais existe..enfim novos tempos. Muita alegria no teu coração. Beijos carinhosos, guida

Rafaela Silva Santos disse...

Ahh Mary meu primeiro amor rs, nem sequer cheguei dar um beijo rs.Mas com ele era assim.Nunca gostei de 0ficar sendo até chamada de careta e não me arrependo.Essas lembranças sempre de alguma forma são doces, e nos fazem lembrar que estamos vivos.beijuuss