02 janeiro 2010




NUMA TARDE DE JANEIRO




Estou aqui sentada na minha cozinha, dia 2 de janeiro, pensando que realmente o ano começou
Sei que vou parecer repetitiva diante de tantas pessoas falando a mesma coisa, mas... "o ano de 2009 não voou?"
Nem acredito que já estamos no inicio de outro ano.
Fico a ler e reler as resoluções de alguns amigos. As promessas de outros. Algumas coisas radicais, outras graduais.
E fico pensando na minha resolução para 2010. Na verdade nunca fiz resolução nenhuma. Sempre entrei no Ano Novo "a seco", sem resoluções.
Quer dizer, todo começo do ano eu começo uma dieta (isso desde 1950 quando nasci). hahaha! Mas é verdade.
Uma coisa que realmente me incomoda, é engordar. Sabem por que? Sinto-me em pouca sintonia comigo mesma. Não gosto de vestir uma roupa apertada, e nem pensar que com os anos eu vou ficar uma velhinha gordinha. Meu gol é ser uma velhinha magra.
(agora estou rindo de mim mesma...que resolução, heim?).
Bom... pensei hoje que se tivesse algo que eu quisesse mudar, seria me preocupar menos com as coisas. Me preocupo com TUDO de uma forma muito absoluta, e estou sempre a querer me preocupar com algo.
Mas as coisas me atingem de uma forma muito forte.
Por exemplo, conheci no supermercado um homem chamado Jim. Alias, eu já o conheço há provavelmente 5 a 6 anos. Ele é um dos gerentes e ajudava na parte de fotografias. Ficamos amigos, mesmo porque ele mora no mesmo condomínio que eu.
Muitas vezes que ia no Supermercado, parava para conversar com ele. Uma vez fiz um pão e levei para ele levar para casa.
Ele costumava fazer ginástica no mesmo clube que eu, então sempre nos encontrávamos lá e batíamos um papinho.
De repente não vi mais o Jim. Sumiu. Sumiu da varanda da casa dele (que fica no lago em frente da minha casa). Sumiu do Supermercado.
Um dia desses indo na Livraria pegar um filme, eu o vi. Estava de cadeiras de rodas. Fui lá falar com ele, o beijei, perguntei o que aconteceu. Para as pessoas que perguntei no Supermercado diziam que ele teve um problema na perna. Sabe quando a gente pensa que é algo simples? Quando o encontrei, fui inocentemente perguntar, e soube que ele está com uma doença de distrofia muscular, e não pode quase andar.
Que choque me deu!
Fiquei a pensar então nas súbitas mudanças que acontecem na vida da gente.
E também comecei a pensar na minha fé. Hoje mesmo conversava com meu marido sobre isso.
Por que temos fé, e temos tanto medo? Sei que e algo do ser humano mesmo, mas eu detesto este medo que de vez em quando me assalta de tudo!
Principalmente quando começa um novo ano. Fico a pensar: "Esse ano foi bom, e o ano que vem, o que me reserva?"
E não sou uma pessoa negativa. Alias, sinto-me sempre uma pessoa positiva.
Mas essas súbitas mudanças acontecem na vida de todo mundo, e não somente na vida do vizinho. E temos que nos preparar muito espiritualmente para que as aceitemos.
Mas não gosto de ver essa fé como um medo constante.
Essa fé tem que ser algo que brota naturalmente de dentro de nós. E que nos torna fortes. E mais seguros.
A certeza de saber que nao estamos nesse mundo por acaso. Se aqui estamos e porque precisamos aprender. Crescer. Melhorar.



Dia 21 de Dezembro fiz 30 anos de casada. Eu ia fazer um post, mas eu andava meio vazia para escrever. Sabe quando a gente sente um monte de coisas dentro da gente, mas não consegue colocá-las em palavras? foi assim.
Fiquei a pensar na felicidade de meu casamento nesses 30 anos. Logicamente que com subidas e descidas, porque nesta vida nada é plano. Precisamos subir e descer, cair e levantar, para crescer e aprender.
Mas sem demagogias...fiquei a pensar em meu marido nesses 30 anos. E na doação dele para mim como pessoa humana.
E me emociona em ver como ele muitas vezes se sacrifica pela nossa felicidade. Outro dia estava a pensar que faz 30 anos que meu marido me abre a porta do carro para entrar. Isso parece uma coisa muito "pequena", mas não é não! é um gesto que se perpetua por amor.
Estou tão acostumada de sair e ele me levar ate a porta, e me dizer "cuidado", e carregar as coisas para mim, e me ligar para saber se cheguei bem... que um dia desses estava assistindo um filme na TV e vi a mulher sair e o marido ficar sentado na sala e pensei: "Nossa, por que ele não vai com ela ate a porta?" risos...
Pois é assim que fazemos um com o outro há 30 anos.

Um cuidado, um carinho, uma atenção mutua.

E uma das coisas que fico a pensar todos os anos é: "quem de nos irá primeiro?" que pensamento mais angustiante! Porque se eu for primeiro, tudo bem... mas se ele for...nossa, nem sei como eu vou enfrentar a vida.
Coisas que todo mundo pensa, não é mesmo?
Outro dia conversando com ele sobre isso, ele disse: "Não me siga, não vou deixar nem endereço!"... hahaha
O tonico de nosso relacionamento há 30 anos tem sido o bom humor...constante.
Além de marido e mulher, somos profundamente amigos.
Se acontece algo comigo, de bom ou ruim, ele é a primeira pessoa que penso em falar.

Este ano vou fazer 60 anos. Não que isso "doa", nem que "mate", mas é uma idade redonda, não é assim? Risos... Ou seja, já vivi mais de meio século Então, não que me assuste muito, mas me deixa meio frágil
Puxa, 60 anos...não faz muito tempo eu tinha 30... risos...

Gosto muito de viver.
Tenho paixão pela vida, e isso me motiva a continuar sempre. A emoção me empurra. A magia da surpresa do dia a dia é o tonico da minha existência

Tenho meus dias "deprê"... e nesses dias eu fico mesmo em baixo. Mas não passa de um dia.

Não tenho nenhuma poção mágica para ser feliz. A felicidade é algo tão fácil, porque está em nossas mãos.

Há dias em que acordamos, olhamos no espelho e parecemos tão bem, o cabelo está ótimo, o rosto iluminado, a pele aveludada, o sorriso tão genuíno! Escolhemos a roupa certa, saímos na direção certa, tudo dá certo!

Outros dias acordamos, olhamos no espelho e nos sentimos horríveis, como se nada pudesse melhorar o nosso aspecto. E tudo que acontece naquele dia parece dar errado.

O que é isso? Nada mais do que nosso reflexo INTERIOR! Sem duvida alguma! Quando estamos bem, o rosto é a vitrine da nossa alma.

Um dia desses li um pensamento do Benjamin Franklin, que dizia assim: "The Constitution only guarantees the American people the right to pursue happiness. You tave to catch it yourself" ou seja: "A Constituição somente garante ao povo americano o direito de perseguir a felicidade. Voce tem que consegui-la por você mesmo"..

Um de Mario Quintana que acho lindo:



A IDADE DE SER FELIZ

Mário Quintana

Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.
Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer.
Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor.
Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso.
Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.



E finalmente deixo um meu:



Tudo que fizer, coloque seu seu coração, mesmo errando, o importante é que voce quis acertar, e seguiu seus sentimentos mais genuinos.

Um Feliz Ano Novo a todos vocês!


Mary Fioratti

11 comentários:

Luciana disse...

Olá


Vim conhecer teu Blog e gostei sobre a postagem de Natal também não gosto muito mas são assuntos pessoais que me deixaram não gostando tanto do Natal.

Bjs

Lu

ParadoXos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ParadoXos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Voodoo disse...

Bom dia Mary,

A exemplo de todos os outros posts,
este também está ótimo.
Falando assim francamente de você
mesma, nos ajuda a entender melhor
cada um de nós, somente os tolos
não tem questionamento.
Feliz Ano Novo.
bjs

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pena disse...

Olhe, Maravilhosa Amiga:
É muito linda, sabia?
Não tenha medo de ficar gorda, tenho a certeza que ficará igualmente bonita.
Quanto às previsões para o Novo Ano seja optimista. Chegará o dia em que as pessoas serão menos egoístas e egocêntricas, sem darem conta.
Tem um marido excepcional. Tanto carinho e ternura. Ele gosta de si, inevitavelmente, porque você gosta dele.
É lindo ver um casal tão apaixonado e, sabe, um casal que não discute não estarão a esconder alguma coisa um do outro?
Será eternamente, doce, linda e admirável num coração fascinante de ternura, pureza e encanto.
Parabéns sinceros. Adorei.
MUITO OBRIGADO pelo que deixou no meu blogue.
Beijinhos amigos para si e um abraço gigante ao seu marido.
Sempre a admirá-la e a respeitá-la

pena

Extraordinário, amiguinha doce.
Fique sossegada é encantadora. Perfeita, embora a muitos Km daqui.
Bem-Haja, pelo ser humano fantástico que é.

BANDEIRAS disse...

Querida amiga Mary,

Muito lindo tua reflexão a respeito da tua vida mas que podemos usa-la para refletir sobre nossas vidas.

Te admiro demais ! vc é um exemplo de mulher,


Bjs, te adoro

EDUARDO POISL disse...

Querida Mary!!! desculpa a minha não presença aqui neste lindo blogger, mais como eu trabalho com turismo e a ilha de Santa Catarina esta lotada, não tive muito tempo para comentar nada no blogger.
Abraços

A.S. disse...

Mary...

Tens uma alma linda!... e eu tinha saudades!

Deixo-te os votos de um novo ano com renovada esperança na paz, na fraternidade e no amor!

Beijos...
AL

Wilma disse...

Oi Mary, fiquei surpresa com sua idade, esta muitíssimo bem!! Você colocou exatamente o que passa também pelos meus pensamentos, toda vez que vejo alguma coisa ruim acontecendo com alguém,penso: e se fosse comigo? Esse seu amigo do supermercado tem a mesma doença que teve um amigo meu no trabalho, aos 55anos, e foi incompreensível pra mim saber de uma pessoa tão cheia de vida, entusiasmo, acabar assim. Mas ele parecia que sabia disso, pois não perdia um minuto sequer da vida quando tinha saúde. Mary, penso que a vida é compensação sempre, não nos dá nada sem levar algo em troca. Sei lá, mas sempre penso nisso, ninguém passa em brancas nuvens... Seu marido é um bem raro, Parabéns pelos 30 anos!!! e que se multiplique muitas vezes...