05 novembro 2007






Conversando com uma amiga que esteve no Brasil por algumas semanas, comecamos a trocar sentimentos.
E uma coisa que ela disse me marcou muito. Porque conseguiu definir algo que sempre senti e nao conseguia explicar.
Quando moramos em um País diferente, toda vez que nos deslocamos dele, parece que uma raiz é arrancada de dentro de nós.
Algo tão dificil de explicar, mas tão facil de sentir!
Quando saimos daqui e chegamos no Brasil, no começo tudo é estranho. Uma sensação tão diferente!
E quando alguns dias passam, mergulhamos no dia a dia, no amor de nossos familiares, nos encontros, nos abraços. Nas ruas cheias de gente, aquela vibração que somente podemos explicar aqui, dentro de nosso coração.

É uma tremenda identificação, algo que se faz de um modo como se entrasse na nossa pele.
Quando entro nos onibus e fico a observar as pessoas, é como se um filme se passasse pela minha cabeca, um filme antigo que se repete: o AMOR que tenho pelo meu povo, pelo meu País, a certeza de que pertenço a esse lugar.

Acordo de manhã com o barulho dos carros, dos passos de pessoas na calçada, com o latir dos cachorros nas casas. Isso tudo para mim pulsa de uma forma absoluta!

E quando o tempo vai passando, começa um sentimento dentro da gente que incomoda. E nao sabemos definí-lo. Parece um vazio, um buraco. E então percebemos que nos falta o mundo daqui.

E ai esta a fotografia do que sentimos:



Um coração dividido, com estradas diferentes. Uma que vai para o Sul... outra, para o Norte.
Estradas que jamais se encontrarão.

Um quebra-cabeça que sempre faltará uma peça.

















Um vazio que jamais sera preenchido.
Duas identidades.

















Dois coraçoes unidos por tao antagônicos sentimentos. E no fundo: sentimentos tão iguais...



®Mary Fioratti

8 comentários:

Ricardo Rayol disse...

acho que isso se aplica também quando viajamos entre cidades de um mesmo país.

Anônimo disse...

Amigos são flores...

Como flores, devem ser cultivadas com
carinho e dedicação,
Para que as tempestades da vida não
esfacelem suas pétalas e para que possamos
ter seu perfume em todas as estações.

Amigos são poemas...

Como poemas, devem ser sentidos nas
fibras mais sutis da alma,
com respeito e gratidão, para que sejam
a melodia risonha a embalar
nossas horas em todos os períodos do ano.

beijos! Da amiga Beta!

Anônimo disse...

Isso chama saudade amiga daqui e dos amigos deixado, mas vc poderá vir passear e matar essa saudade sempre que ela apertar.Quem sabe numa dessas vindas até terá um tempinho para passar por aqui e conhecer mau Mundo Encantado!

Mais beijos da Beta!

Anônimo disse...

O bem maior!
Não existe maior bem do que fazer a felicidade de alguém.
Compram-se quase tudo em nossos dias, mas o bem, ninguém compra. Compra-se até companhia, mas não a sinceridade. O conforto, mas não a paz de espírito, não a tranqüilidade, menos ainda a felicidade.
Há uma grande diferença entre dar e oferecer. Quando damos, estendemos a mão, mas quando oferecemos é nosso coração que entregamos junto. É um pedacinho de nós que vai caminhando na direção do outro e o bem que ele provoca retorna ao nosso interior. Tornamos pessoas felizes, quando damos de nós mesmos.
São as pequenas felicidades do dia-a-dia que vamos distribuindo aqui e acolá, a compreensão que acalma as almas inquietas e a ternura que abranda os desenganos da vida. Por isso é tão importante distribuir sorrisos.
Deixo aqui meu sorriso e o desejo que tenhas uma linda terça,Mary.
Beijos no coração, da amiga Beta

Musician disse...

Minha amiga linda, nada mais verdade! Consigo compreender-te perfeitamente porque vivo exactamente essa situação! Claro que não tão grande como a tua, não moro na minha terra, com a minha familia, amigos...moro no mesmo pais, mas terras totalmente diferentes! É muito doloroso! :(
Só entende quem passa por esta situação não é amiga?
Gosto de ti :)
Beijinho grande*

Beatriz Prestes disse...

Mary minha querida...

Mesmo sem nunca ter estado longe do Brasil, sei exatamente o que você sente.
Há um tempo atrás, houve uma possibilidade de mudança. Entrei em pânico..rsrsr Por 2 meses, sonhei quase que diariamente que estava indo de malas para o aeroporto..... Chorava feito louca no sonho e quando acordava, sentia um alívio tremendo.rs
Sabe minha amiga.......não digo que nunca, mas a mudança ficaria cara, pois teria que levar comigo muita gente que amo à tiracolo.rsrs E mesmo assim continuaria amargando a saudade de cada detalhe desta vida que eu amo, neste país.
A verdade é que amo minha terra, sou apaixonada por meu país e sei que sofreria um monte se tivesse que sair daqui. rs
Beijo com amor minha querida...vc é especial demais!
Bea

Dilean De Bragança disse...

Passando pelos corredores virtuais me achei aqui na sua salinha. Me deliciei com sua mensagem tão intimista e clara.
Sua forma de narrar seus sentimentos veio de forma tão sensível que só de ler sinto a sensação dessa distância em que se encontra.
Podem falar o que quiserem desse gigante em que vivemos, mas ficar longe dele e pisar em terras estranhas deve ser muito mais difícil.
Parabéns pelas postagens.
Bjus.

Amaral disse...

Nunca me ausentei do meu país por mais de duas semanas, mas deu para sentir que já era tempo de voltar...
Mas para quem sai do seu país para ir procurar o seu futuro noutro local longínquo, a saudade, o vazio, a disparidade de sentimentos deve ser uma experiência única.
Tenho na família um exemplo que só durou meia dúzia de anos! Foi o bastante para o empurrar de novo para o nosso convívio.
Um coração dividido parece ser o que os dias de hoje nos mostram com mais frequência...
Só um grande querer, uma grande força espiritual, uma grande confiança possuem a magia de manter esses corações vivos!