28 fevereiro 2009



A DOR DO AMOR



A dor do amor é como um relâmpago
num céu limpo e azulado
intenso, possante, dominador
o coração se sente assim...despedaçado
é assim a dor do amor
por que o amor dói?
se deveria apenas amansar a alma
por que exulta-se? incendeia-se?
por que queima? arranca a pele?
a dor do amor
...parece ferida aberta
sangra... fica exposta
e não ha band-aid que a cubra
não ha remédio que a anestesie
arrepia a alma, parece que nunca passa
é como numa janela de um trem
quando a paisagem passa...passa....
e nunca acaba...
como se o mundo não tivesse um fim
naquelas estradas intermináveis
assim é a dor do amor
uma loucura em vida
um pano de fundo
um riso descontrolado
um choro descompassado
a dor do amor só passa
quando acorda a alma
que dorme tranquila
e a deixa em alvoroço
ela quer a presença
o cheiro, o toque, o abraço
quer o beijo enroscando línguas
as pernas entrelaçadas
e depois do amor,
essa mesma dor... o amor abraça



fecha os olhos devagarinho
acalma todos os sentidos
e fica em estado de graça


Mary Fioratti

12 comentários:

CrisBoro disse...

Menina, como voce escreve gostoso! Eu comparo a dor de amor, como uma dor de parto (romântico isso né... rsrsrs). Dói mais que tudo, mas depois que passa, a gente não se lembra mais e começa tudo de novo. Na verdade, dói a sensação de desprendimento. Mesmo doendo, ainda temos aquela pessoa dentro de nós, na nossa dor.
Beijão querida. Bom domingo!

A Sentinela disse...

Querida amiga,

A cada dois anos, me encasulo, me
transformo, em busca de outras
transformações...

As vezes penso, outras me transpasso, espero sair da rotina,
doce meiga, transparência opaca,
desta falta de inspiração.

Espio o amor dos outros feito pelas
brechas de portas quebradas, fechaduras sem trinco, que importa???

A cada dois anos crio assas e caio
sempre morta, tempo de renovação,
uma vida apenas pode ser nada,
ou toda a diferença,
a escolha é apenas
sua.
abs

A Sentinela disse...

ELOCUBAÇÕES

Coisas bestas,
ditas ao acaso,
verborragia,
logorréia...


Engraçado, me lembra claramente um certo presidente:
Nunca antes neste país, a unanimidade foi maior de 100%;
e continua crescendo, e toma fermento neste bolo.
você leitor amigo,não fique chateado...
Ainda não foi entrevistado???
pelo menos vc não é mais um caso de estatísta,
você tá off?
Ao menos aqui, on é off,
afinal, não vá brigar
com a matemática.

Eu que pensei que já tinha visto
tudo...

Estou on, logo, estou off...

Jonalva Araújo disse...

Mary!
Pode me chamar de Jo sim!
Fico muito feliz por tudo que tem me dito!
O que faço,e tudo que faço,é de coração mesmo!
Fico feliz demais por estar conhecendo uma pessoa tão maravilhosa! Você é a pessoa mais paciente que já vi na minha vida,porque pra ler minhas coisas! Haja paciencia!
Depois ,se achar conveniente,vamos trocar msn?!
Aaah,amei o poema que você fez.
Aliás,amamos!
Conchinha achou lindo também!!
E combina bem muito com a gente!Você nem imagina o quanto!
Obrigada!
Ter você por aqui é uma honra!!
Seja sempre muito bem vinda!
Um beijão!E um ótimo Domingo.
Jõ.

TANTOS VERSOS disse...

Minha amiga que amo....
Este teu poema é apaixonante no que ele tem de mais intenso...o falar de amor, da dor!
Um poema lindamente nascido da tua alma e coração, que sabem amar como ninguém!!
Aplausos minha flor!
Te amo
Bea

TANTOS VERSOS disse...

Minha amiga que amo....
Este teu poema é apaixonante no que ele tem de mais intenso...o falar de amor, da dor!
Um poema lindamente nascido da tua alma e coração, que sabem amar como ninguém!!
Aplausos minha flor!
Te amo
Bea

Pena disse...

Só uma brilhante poetisa de sonho poderia dar viva voz à "vitrina" fantástica de versos assim.
Sublime!
Beijinhos de amizade e imenso respeito.
Com cordialidade e admiração pela pureza e beleza de si e do que concebe com encanto...

pena

Zé Carlos disse...

Mary querida, este tipo de dor não é normal. Embora amigaço da CrisBoro discordo dela hoje. Ela disse: "Dói mais que tudo, mas depois que passa"
O trágico é o tamanho desse "depois" !! Vc como sempre de parabéns.. Bjs do teu amigo ZC

Amaral disse...

Nossa!!!
A tua veia poética deve estar no auge! Que bonito o teu poema! Que loucas palavras que os teus versos cantam!!!...
Olha, a dor do amor dói mesmo!... O porquê, a gente acha que o amor é linguagem da alma e ela sente profundamente quando não há partilha...
Por isso, a dor do amor é ferida que incendeia... é, como dizes, a paisagem que passa através da janela de um trem...
Mas o teu poema é muito rico, porque define a dor do amor como loucura, como choro, como alvoroço...
O amor quer, afinal, o tal toque, o tal beijo, o tal abraço... para "ficar em estado de graça"...

Pena disse...

Linda Amiga:
O versejar de uma sensibilidade linda, pura e deslumbrante já comentei.
Venho, humildemente, agradecer a sua ternura, carinho e, encanto pela sua imensa amabilidade, e dedicação notáveis que assinalei em mim e no que sou, pelo que faço.
MUITO OBRIGADO, doce amiga.
Beijinhos agradecidos de respeito, estima e consideração.
Sempre a admirá-la

pena

OBRIGADO sincero e sentido, terna amiguinha!

Retalhos de Amor disse...

Nada pode calar o Amor...
Unguento e espada a um só tempo!!!
Mas... Os teus versos pazeiam o
espírito, candeiam ternura, nos
tomam profundamente a alma!!!
Te Amo, Mary Ternura!!!
Beijos maissss... Muitossss!!!
Iza

BANDEIRAS disse...

É...
Quase sempre o amor vem com dores...
Mas nunca deixamos de amar assim mesmo.

Bjs