24 março 2006




TEU ADEUS




Ontem tu não soubeste
Não veio, não me quis, não me lembrou
Não me amou, mas eu te vivi..

Vivi nosso encontro, teu beijo, teus passos,
Minha noite, o arco íris, teu abraço
Minha espera, teu sorriso.

Eu te amei muito mais do que devia
Ao te viver..

Vivi minha dúvida, tua dúvida, minha lágrima,
Tua lágrima, nossa tristeza, meu presente
Teu passado, tua ausência, minha lembrança
Tua mentira, minha saudade
Teus abraços, teus olhos nos meus.

Vivi a tristeza, a verdade, a dor e a realidade
Do teu Adeus...

®Mary Fioratti
,

8 comentários:

Neith disse...

Lapidas o teu sentir em tão primorosas palavras...belo este teu efeito :) Beijinhos e votos de um bom fim de semana

Luís Miguel disse...

A tua veia poética não parece ter fim, Mary.
E ainda bem.
Continua assim, a oferecer-nos deliciosos poemas como este "Teu Adeus".
Nostálgico e simplesmente belo.
Tem um bom fim de semana, beijinho....
.
.

Zé Carlos disse...

...repetir.... sempre.... lindoooo menina Mary.... como vc... bjs do amigo

Bea disse...

Oi mary

Bela poesia ....como é belo tudo q vc escreve.Obrigada Bea

Musician disse...

O amor tem coisas assim!
Lindo, amiga!
Um beijinho*

Paulo Silva disse...

Perco-me ao ler tão belas palavras.
Adorei.

lua branca disse...

crescem árvores mais definitivas

pálpebras trémulas da noite



é o muro que eu recrio a cal sem vazios diários

todos de verdade nós todos férteis salvos



todos veias claras nós sementes

nós o susto fecundo de vivermos

nós os números e as letras e os desenhos



ah matem-me de noite punhais híbridos

sentinela das fronteiras extintas

sentinela última da noite

Saramar disse...

Mary, tão belo e tão doído lamento de amor nesses seus versos, de perda, de solidão.
Belas palavras, muito belas.

Beijos