14 novembro 2006




A DOR DO "SER"




Tudo que eu queria nessa vida
é ser uma pessoa que pesa, pensa
que se equilibra
Que nao perde a paciencia
nutrindo-se de meiguice, calma,
aquelas pessoas que sussurram
e que se fazem ouvir
pelo silenciar da alma
Nao me deixar inflamar tao de repente
por uma causa que nem é minha
tomar as dores, levantar bandeira
sofrer calada, absolutamente sozinha
Queria ser uma pessoa
que passasse equilibrio
que meu amor fosse tranquilo, suave
e nao uma montanha-russa
com ventos e tempestades...
Quando sinto, eu sinto no fundo de mim
Quando sofro, o sofrimento é uma tortura
Quando choro, molho um rio de lagrimas
Quando sorrio, exagero na dose
Em materia de gosto...
O doce tem que ser melado
O café tem que ser pelando
a água tem que ser congelada
as emocoes... avalassadoras
a dor ...quase insuportavel
Quem sabe um dia serei
aquela mulher misteriosa
escondendo sentimentos
equilibrando na balanca do viver
A dor do "Ser"...

®Mary Fioratti

3 comentários:

Jéssica disse...

Nem me fale em dor, querida amiga, essa eu conheço bem de pertinho.
São tantas as minhas dores, mas a pior de todas é aquela que eu não tenho culpa, me foi imposta, essa é a dor q doi mais.
Belo e profundo texto, como todas as tuas escritas... intensa!
Beijo, muito beijo nas bochechas

Octávio Roggiero Neto disse...

Tudo o que buscamos em verdade já temos em potencial dentro de nosso peito. Cabe a nós desenvolvermos dia a dia as nossas virtudes. Acho que a prática reiterada de atos virtuosos faz com que incorporemos pouco a pouco a virtude exercitada, até que ela nos seja natural e espontânea. Mary, pelas suas palavras arrisco dizer que uma mulher cada vez mais aperfeiçoada vai rompendo o casulo do tempo. Você faz tudo com paixão. Sofrerá mais, decerto, mas também viverá com maior intensidade e seus dias não passarão despercebidos.
Té mais ler, Mary!

Alexis Coald disse...

El ser amiga es un don, es descubrirse vivo es descubrir la belleza que hay dentro de cada uno de nosotros, bello poema.
Te abrazo y mucha luz