27 janeiro 2007




QUE SEJA...




Que a descoberta
seja lenta cheia de ternura
quando os gestos
desmancharem-se em desejo

Que seja sentido
o tremor da caricia
o suspiro entrecortado
no tocar de malicia

Que a voz sussurre
melodias incompreensíveis
permita-se o choro
a liberdade da expressão

Que o momento seja intenso
louco, desvairado e-terno
e que o grito rasgado
corte a noite e pare o tempo

Que seja in-tenso
não guardando pudores
tingindo os lencois do amor
de todas as cores...


®Mary Fioratti

7 comentários:

Amaral disse...

"Que seja" tem: ternura, desejo, carícia, sussurrro, loucura, pudor...

Naturalmente, é um poema amoroso, onde se encadeiam sensações e sentimentos profundos.
O Amor é assim mesmo. Quando há verdade e paixão, os versos saem com toda a naturalidade.

Pé de Salsa disse...

Que poema tão lindo Mary...

Soa-me assim como que fazendo parte de um sonho ou apenas de momentos momentâneos...

O modo como o descreves está simplesmente divinal!

Um beijo e tem um bom fim de semana.

Alexis Coald disse...

Mary
Que intencidad de sentimientos,no sabes como extrañaba poder leer tan bellos escritos.
Perdona por escribir ahora es que no estaba en casa.

Te abrazo, me pondré al dia con tus poemas pasados.

Alexis Coald

Daniela Mann disse...

Linda esta poesia!
Abraços da Dani

ALF O Extasiado disse...

Nossa, que doce amiga.
que seja lindo pra sempre.

Adorei.

Tocante.

bjão

Maria Lúcia disse...

Lindo seu poema! Realidade com o colorido do mais belo sonho!

Beijos
Maria Lúcia

Jéssica disse...

Demais, como diria alguém: Amém!
Ou que seja, que seja assim, intendo.
Belas palavras, doce Mary.
Pra variar, né?
Carinhosssssssss