21 abril 2006




E C O




Hoje não havia você
a saudar o meu dia
levantei-me com aquela sensação
de estar partida ao meio
metade de mim
via o sol entrar pela janela
desprendia-se meu pensamento
aflito ao seu encontro
Hoje não havia você
para rir do meu riso
acariciar meus sonhos
entender meus silêncios
partilhar da minha emoção
Não ouvi sussurros em meus ouvidos
despertando meu corpo
não contei para você meu dia
não pude ouvir o seu
Fiquei andando pela manhã
perdida em conjecturas
embalando-me com as lembranças
de sua voz
Hoje não houve você
e na minha paisagem
gritou minha saudade
e ouvi o eco da minha agonia
enxuguei minhas lagrimas
e as materializei neste papel branco
em forma de poesia

®Mary Fioratti

5 comentários:

Zé Carlos disse...

Mary querida, não é por nada não, mas seus poemas estão cada vez mais deliciosos.... dificil se ler uma vez só.... Parabéns... bjs

Zé Carlos disse...

PS: Isto tem a ver também com a ginástica diária? Que bom....

Sylvia Cohin disse...

Querida Mary,
Estava no blog do Zé quando vi o link de seu blog. Deu-me vontade de vir aqui lhe visitar, conhecer este espaço personalíssimo e deixar um abraço bem brasileiro. Saio levando comigo a beleza de sua sensibilidade em forma de poesia. Parabéns, um abraço, Sylvia

Saramar disse...

Mary, querida, bom dia.
Quem não sente essa saudade? Quem não sofre essas dores que você descreveu tão lindamente?

Beijos

Musician disse...

Ha dias assim minha querida!!
Um beijinho doce*