04 janeiro 2006




ENIGMA DA ALMA





A vida sussurrou-me o enigma
entrelaçado de sentimentos
em meus ouvidos
Língua estrangeira
completamente indecifrável
As mãos estenderam-se
em um gesto solitário
a procura de calor e conforto
negando-se a aceitar
palavras incompreensíveis
soadas pelo fundo da própria alma
Não sei o segredo
da minha existência
Se juntasse os gens...os rostos...
se misturasse as alegrias
e os desgostos
nem Picasso com seu pincel magico
e sua sensibilidade aguçada
pintaria esse enigma
Não existiria nem mesmo uma sinfonia
que Mozart pudesse compor
numa noite mais inspirada
e se a musica tocasse
não emitiria uma nota que soasse
desvendando esse mistério...
O que hoje tento decifrar
em linguagem figurada
É apenas o fragmento
de uma solidão interior
E mais nada...

®Mary Fioratti

2 comentários:

Musician disse...

Como esta lindo este poema!
Adoro aqui o teu cantinho!
Beijo doce*

mixtu disse...

E mais nada...
Poema, como sempre lindo.
Gosto das tuias palavras,
gosto da tua verdade,
da tua sensibilidade,
eu...
aguardo boas novas do vento
de um vento que gosto,
de um vento maroto,
de um um vento poético,
tenho o coração a morrinhar,
não é altura de postar,
amiga querida,
gosto muito de ti,
em breve prometo voltar.
saludos especiais
mixtu