10 janeiro 2006




PENSAMENTOS NOTURNOS




Se, depois de eu morrer...

Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas --- a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.
(Alberto Caieiro)



Esta é uma das poesias do Caieiro que mais me identifico.Que coisa mais profunda pensar...entre essas duas datas, e tantos dias somente nossos. Porque ha pedaços em nossa alma que são simplesmente impossíveis de serem conhecidos, ou mesmo descritos...Há as agonias, os desencontros, e a total incapacidade (as vezes) de mergulharmos em nos mesmos....


Mary Fioratti

3 comentários:

Naldy disse...

Achei o maximo! ( o acento tah incluihdo ok?hehe)

Verdade mesmo. A vida tem que ser vivida e nos temos liberdade de agir, de viver. Pra que pensar em biografia pos mortem? hehe
Querida, obrigada pela visitinha e pretendo vir mais vezes por aqui ok?
BJS

Zé Carlos disse...

Lindo Mary, não verdadeiramente o assunto, mas a poesia de Alberto Caieiro.
Para escrever sua biografia ainda haverá de nascer alguém pois vc ultrapassará a nós todos.....
Beijão do Zé Carlos

daufen disse...

Ah! minha linda, como eu te entendo.

Eu gosto muito da frase lapidar de Bocage (não é muito educativo, mas de tremendo bom humor..risos)

apesar de estar tudo muito bonito. Fernando Pessoa , Maria Inês Guimarães Fioratti o acompando...o tema é triste e, geralmente, qdo escrevemos algo assim, estamos precisando de um carinho a mais, de um aconchego...

Beijo minha linda.