14 julho 2006




REFLEXÃO (NOITE)




Quando cai a noite lentamente
Sinto que começa um amanhecer
Em minha alma
Identifico-me plenamente
Com o silêncio
Que faz barulhos em meu interior
Mostrando-me
Verdades incontestáveis do meu ser
Mergulho nos meus sonhos
Transponho a barreira do impossível
E consigo ver por trás das montanhas
Do meu sentir
O sol brilhar no meu interior
Profundo e intenso momento
Quando me revolto interiormente
Com a necessidade de dormir…
Nao quero dormir…quero sonhar!
Quero tocar as estrelas do céu
De meus pensamentos
Quero estar viva, alerta, acordada
Para esse momento
Onde há aquela comunhao
Tao intima e necessaria
Deixem-me sonhar! Mas acordada!
Nao quero fechar os meus olhos
Quero-os abertos
E meus sonhos todos em cores
Decorados com risos e amores
Quero recostar na penumbra
E no silêncio, meu coração envolver
Ouvindo os ruídos de minha alma
Envolvendo meus sentidos nessa calma
E esperar o dia amanhecer

®Mary Fioratti

2 comentários:

Alexis Coald disse...

"Quando cai a noite lentamente
Sinto que começa um amanhecer
Em minha alma
Identifico-me plenamente
Com o silêncio."

Cuando cae la noche lentamente
Siento que comienza el amanecer
en mi alma
Me identifico plenamente
con el silencio.

Que bellas metáforas, que sutil derrame de palabras encantadas.

"Envolvendo meus sentidos nessa calma
E esperar o dia amanhecer"

Emvolviendo mis sentidos en esa calma
y esperar un nuevo amanecer.

Esta parte del poema es magico y perfecto.

YOUR POEM IS VERY VERY BEAUTIFUL.

BRIGADO.

Alexis Coald

Bea disse...

Oi Mary

Que linda reflexão e que belo poema..E essa música acompanhando-a, ah, tudo gira num complemento emotivo que transcende qualquer expectativa .Obrigada cara poetisa por esses momentos por aqui. É uma emoção atrás da outra. Bom final de semana e parabens por essa veia poética .Bea